quarta-feira, 27 de abril de 2011




A brincadeira é que você bate os ingredientes na própria caneca com um garfo e põe no microondas por 3 minutos. A massa crua é mais mole que a de um bolo normal mas é assim mesmo.

Não aumente a farinha ou terá um bolo duro.

BOLO DE CANECA
Você prepara na própria caneca que irá consumir e assa em apenas 3 minutos no microondas.
Ingredientes:
- 1 ovo pequeno
- 4 colheres (sopa) de leite
- 3 colheres (sopa) de óleo
- 2 colheres (sopa) rasas de chocolate em pó
- 4 colheres (sopa) rasas de açúcar
- 4 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo
- 1 colher (café) rasa de fermento em pó

Modo de Preparo:
- Coloque o ovo na caneca e bata bem com um garfo.
- Acrescente o óleo, o açúcar, o leite. o chocolate e bata mais.
- Acrescente a farinha e o fermento e mexa delicadamente até incorpar.
- Leve por 3 minutos ao microondas na potência máxima.

Dicas
- A caneca deve ter capacidade de 300ml.
- A medida da colher é sempre rasa.
- Você pode servir este bolo com coberturas, caldas, castanhas e sorvete. E pode comer quente!



Receitinha do dia!!!


INGREDIENTES
Massa
• 1 ovo
• 3 colheres (sopa) de óleo 
• 4 colheres (sopa) rasas de açúcar 
• 4 colheres (sopa) de suco de laranja 
• 5 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo 
• 1 colher (café) de fermento químico 

Cobertura 
• 2 colheres (sopa) de açúcar confeiteiro 
• 3 colheres (chá) de suco de laranja 

MODO DE PREPARO
Massa
Coloque o ovo na caneca e bata com o garfo. Adicione o óleo, o açúcar e o suco de laranja e misture. Acrescente a farinha, o fermento e misture até uniformizar. Leve por três minutos ao microondas em potência máxima.

Cobertura
Junte tudo e cubra o bolo.

Dica: Pode-se trocar o suco de laranja pelo de limão. Mas, para essa substituição, em vez de 4 colheres (sopa) do sumo da laranja, use 2 colheres (sopa) do limão, pois o sabor é mais acentuado.

Educação, dia 28 é o seu dia!

28 DE ABRIL

DIA DA EDUCAÇÃO
"...a boa educação é a base de uma nação consciente de seus direitos e deveres, que é capaz de construir o melhor para si e seu país, contribuindo para uma sociedade mais justa e com alta qualidade de vida".
    Educação - É o conjunto de técnicas e conhecimentos necessários para a transmissão do saber e dos valores essenciais à sociedade.
    Ao professor cabe transmitir conhecimentos e estimular o raciocínio lógico e a visão crítica dos estudantes, ajudando-os no desenvolvimento de habilidades para entrar no mercado de trabalho e assumir seu papel de cidadão.
    Atua em todos os níveis da educação, do ensino infantil ao superior. Pode lecionar disciplinas específicas nos cursos profissionalizantes, nas classes de alfabetização, de educação especial (para portadores de deficiência) ou para jovens e adultos (antigo supletivo). Pela Lei de Diretrizes e Bases de 1996, todos os professores, de qualquer nível de ensino, devem ter formação superior a partir de 2007. Para lecionar em faculdade, é preciso, ainda, ter pós-graduação.
    Hoje em dia é grande a importância dada à educação. O número de analfabetos no país vem caindo a cada ano e praticamente todas as crianças com idade entre 7 e 14 anos estão matriculadas na escola. E também há um esforço para colocar na pré-escola as crianças com menos de seis anos de idade.
   Outra preocupação atual é com a repetência. Professores e o Ministério da Educação buscam formas de evitar a repetência dos alunos para que eles não desanimem e acabem abandonando a escola. Mesmo assim, muitas crianças e jovens têm que deixar de estudar porque precisam trabalhar.
    A qualidade do ensino também é um ponto importante para se pensar. Pouco adianta completar séries e ganhar um diploma se não aprendermos de verdade. Por tudo isso, estudar com prazer e buscar compreender o mundo através do que aprendemos é uma boa forma de comemorar o Dia da Educação.
    Como anda a educação no Brasil?
   O IBGE realiza várias pesquisas que levantam dados sobre a educação no Brasil, sendo a maior delas o Censo Demográfico. O último censo foi em 2000 e trouxe informações sobre analfabetismo, anos de estudo, freqüência escolar e redes de ensino, com distribuição de acordo com idade, estados, regiões do Brasil e sexo, entre outros dados.
Outra pesquisa importante, realizada com amostras da população brasileira, é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, que apresentou seus mais recentes resultados em 2003. Vamos aproveitar o Dia da Educação para sabermos mais sobre o assunto no Brasil?
    Mais brasileiros sabendo ler e escrever
   O mundo moderno exige das pessoas uma preparação cada vez melhor para o exercício de suas tarefas. Ler e escrever, além de serem formas de se comunicar com o mundo, são atividades básicas para o desempenho de muitas outras funções.
Sob esse aspecto, a população brasileira vem conseguindo alguns avanços. Segundo a Síntese de Indicadores Sociais 2004, que traz os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2003 (PNAD), do IBGE, o crescimento contínuo da taxa de escolarização vem reduzindo o analfabetismo, elevando o nível de instrução da população em todo o país e diminuindo, gradativamente, as grandes diferenças entre as regiões.
   A taxa de escolarização dos jovens de 15 a 17 anos, por exemplo, aumentou cerca de 33% nos últimos 10 anos e atingiu, em 2003, 82,4% desses jovens. Não houve grandes variações entre as taxas regionais e a taxa média nacional.
   Sobe o nível de instrução da população, cai o analfabetismo
  A crescente escolarização vem impulsionando a elevação do nível de instrução da população. Entre 1993 e 2003, o analfabetismo declinou em quase 30% no Brasil. Esse declínio foi mais intenso nas regiões Sul (34,7%), Centro-Oeste (32,1%) e Sudeste (31,3%), principalmente nos estados do Paraná e Santa Catarina (com reduções de 37,6% e 36,7%, (respectivamente), o Distrito Federal (-45,7%) e o Rio de Janeiro (-41%). O Nordeste apresentou um declínio de 27%.
São considerados analfabetos todos aqueles que possuem mais de 15 anos de idade e não sabem ler nem escrever. A diminuição das taxas de analfabetismo no Brasil deve-se ao maior acesso da população carente ao ensino fundamental e aos programas de alfabetização de adultos, como, por exemplo, o Alfabetização

Dia 28 de abril, dia da Educação

DIA DA EDUCAÇÃO

Dia da Educação
Como é bom ter educação!
  Geralmente, quando se fala em educação, pensamos imediatamente em escolas, alunos, professores, livros, materiais pedagógicos. Ou seja, a palavra remete ao universo escolar.
  No entanto, a escola não é o único lugar onde a educação acontece. A educação existe tanto em sociedades tribais de povos caçadores agricultores ou nômades, quanto em sociedades de países desenvolvidos e industrializados.
  O dia 28 de abril é dedicado a este importante elemento de aquisição e de transmissão de cultura.

Novidades!





  Além de porta-trecos, a lata enfeitada pode servir como um livro enlatado. O estudante escreve uma história em uma tira de papel, logo depois essa tira é presa em um rolinho de papel higiênico, é enrolada e presa com um clips. Esse registro fica dentro da latinha. É uma dica diferente de produção literária.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Receitinha do dia...

Torta de Banana. Imprimir

Ingredientes:

1 dúzia de banana prata (ou outra boa para fritura)
1 lata de leite condensado
1 lata de leite condensado com leite de vaca
1 gema
4 claras
4 xícaras de açúcar
canela em pó

Modo de Preparo:

1a Camada - Bananas:
Corte as bananas ao comprido e frite-as apenas dourando. Coloque as fatias fritas em um pirex untado ate cobrir o fundo (se preferir faca duas camadas de banana). Polvilhe canela por cima das bananas.

2a Camada - Creme de leite condensado:
Leve ao fogo em uma panela o leite condensado, o leite de vaca e a gema de ovo. Misture ate formar um mingau de consistência media. Despeje por cima das bananas.

3a Camada - Suspiro:
Bata as claras em neve ate não cairem quando virar a tigela (muito bem batidas). Acrescente devagar o açúcar sem parar de bater. Despeje o suspiro em cima do creme.

Finalmente leve ao forno ate o suspiro estar assado. Deixe esfriar e coloque na geladeira. Sirva gelada.

Charge...

Charge do ilustrador Cicero

Estudar, estudar, estudar... Para o professor o estudo não tem fim!!! Porém... navegar pelo mar do conhecimento é uma grande aventura!!!

Dicas para professores

ORGANIZAÇÃO DA SALA DE AULA

Caixa para guardar os estojos das crianças



Caixa feita para guardar os materiais de artes tais como:camisetas,guache,pincel entre outros.



Cortina feita com bichinhos de E.V.A e fio de nailom.




Bloco de notas.







Pregadores do varal de atividades.






Pesinho de porta.

Sucata, tudo de bom!!!

A ultilização de materiais descartados ,ou seja sucata e necessária para que a criança aprecie o hábito de recriar e enxergar as possibilidades ao seu redor,reinventando.
Jogo das cores feito com copo descartável, auxilia o aluno na identificação
das cores e da forma (circulo).





Carrinho feito com caixa de leite,papelão e palito de churrasco





Jogo de boliche feito com pet, copo descartável,
bola de isopor,guache e papel crepom.


Bastão Colorido cheio de papel e grãos,usado
para trabalhar sons e coordenação.





Carrinho feito com Amaciante,papelão e varetas

Passatempo para vocês!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Músicas Infantis

http://letras.terra.com.br/temas-infantis/

A coleção mais lida na Escola, Vaga-lume


Vaga-lume

A Charada do Sol e da Chuva
A chave do corsário
A Grande Fuga
A Grande Virada
A Guerra do Lanche
A Magia da Árvore Luminosa
A Maldição do Tesouro do Faraó
A Noite dos Quatro Furacões
A Primeira Reportagem
A Turma da Rua Quinze
A Vida Secreta de Jonas
Açúcar Amargo
Agitação à Beira-Mar
Aventura no Império do Sol
Aventuras de Xisto
Cabra das Rocas
Confusões & Calafrios
Correndo Contra o Destino
Corrida Infernal
Crescer é uma Aventura
Deu a Louca no Tempo
Deus me Livre!
Em Busca do Diamante
Éramos Seis
Garra de Campeão
Gincana da Morte
Jogo Sujo
Manobra Radical
Menino de Asas
Meninos Sem Pátria
Missão no Oriente
Morte no Colégio
Na Barreira do Inferno
Na Ilha do Dragão
Na Mira do Vampiro
Nas Ondas do Surfe
O Brinquedo Misterioso
O Caso da Borboleta Atíria
O Desafio do Pantanal
O Escaravelho do Diabo
O Feijão e o Sonho
O Grito do Hip Hop
O Jogo do Camaleão
O mestre dos games
O Mistério da Cidade-Fantasma
O Mistério dos Morros Dourados
O Ouro do Fantasma
O Outro Lado da Ilha
O Preço da Coragem
O Primeiro Amor e Outros Perigos
O Robô que Virou Gente
O Segredo dos Índios
O Senhor da Água
O Super Tênis
Office-Boy em Apuros
Operação Nova York
Os Barcos de Papel
Os Passageiros do Futuro
Os Pequenos Jangadeiros
Perigos no Mar
Quem Manda já Morreu
Salvando a pele
SOS Ararinha-Azul
Spharion
Tem Lagartixa no Computador
Terror na Festa
Tonico
Tonico e Carniça
Tráfico de Anjos
Um cadáver ouve rádio
Um Inimigo em Cada Esquina
Um Rosto no Computador
Vencer ou Vencer
Xisto e o Pássaro Cósmico
Xisto no Espaço
Zezinho, o Dono da Porquinha Preta

Imagens da Primeira Missa no Brasil

26 de abril, A primeira Missa no Brasil.




A Primeira Missa

No dia 26 de abril de 1500, num banco de coral na praia da Coroa Vermelha no litoral sul da Bahia, foi rezada uma missa de Páscoa, a primeira de tantas que desde então foram celebradas naquele que veio a tornar-se o maior país católico do mundo. Acompanhe os passos iniciais dos padres evangelizadores e as etapas das missões católicas no Brasil Colonial.


Frei Henrique sacraliza o ato de posse do Brasil
"E quando veio ao Evangelho, que nos erguemos todos em pé, com as mãos levantadas, eles (os índios) se levantaram conosco e alçaram as mãos, ficando assim, até ser acabado: e então tornaram-se a assentar como nós... e em tal maneira sossegados, que, certifico a Vossa Alteza, nos fez muita devoção." - Carta de Caminha a El-Rei, 1º de maio de 1500

A Primeira Missa e a conclusão de Caminha

Dias já faziam em que estavam os lusos ali entre idas à praia e voltas ao mar. Carregavam água, frutas e o lenho para os barcos, enquanto dois carpinteiros separavam um enorme tronco para a feitura da Cruz. Os índios, uns oitenta ou mais, tagarelas, estorvantes, arrodeavam os marinheiros em seus afazeres, olhando pasmos o efeito do fio do ferro na árvore. Da mata próxima vinham os barulhos da bicharada, o ruído forte dos papagaios, dos bugios, e de uma poucas pombas rolas. A missa mesmo, a primeira no Brasil, deu-se no Domingo de Páscoa, 26 de abril de 1500, quando afincaram a Cruz no chão macio de um banco de areia em Porto Seguro.

O Frei Henrique de Coimbra, um franciscano, oficiou-a todo aparamentado, enquanto a tripulação congregava-se na praia as voltas do altar. Tomavam posse daquela Ilha de Vera Cruz, em nome do rei de Portugal e da santa fé católica. Os nativos, dóceis, se portaram de tal modo que Caminha convenceu-se da fácil conversão deles no futuro. Um par de padres, dos bons, escreveu ele ao rei, bastava.

A decisão de vir ocupar o Brasil

Porém, não foi essa a decisão da Coroa. Demorou quase meio século para que um reduzido destacamento de jesuítas desembarcasse no Brasil para fins de catequese. As políticas anteriores de ocupação da nova terra ( o arrendamento ao consórcio de cristãos-novos de Fernão de Noronha, e, depois, a doação de capitanias), redundaram em fracasso. Foi o acirramento do combate teológico contra os protestantes, e as visitas das naus bretãs e flamengas atrás do pau-tinta, quem fez o rei abandonar a desatenção para com o Brasil. Tinha urgentemente que ocupar os pontos estratégicos da costa e por aqueles hereges à correr. Ou tomava conta de vez, ou perdia tudo.

Os primeiros seis missionários


Anchieta e o Padre Nóbrega

A guerra econômica e religiosa das Europas, transferiu-se assim para o Brasil. Nos barcos de Tomé de Souza, o fundador de Salvador, vieram junto, em março de 1549, os soldados de Cristo, os homens-de-preto da recém fundada ordem de Santo Inácio de Loyola. Eram apenas quatro. O Padre Manoel da Nóbrega e o Padre Aspicuelta Navarro foram os mais famosos, depois, é claro, do Padre José de Anchieta que arribou mais tarde. A eles juntaram-se mais dois: Antônio Rodrigues, um ex-soldado mestre nos idiomas nativos, e Pêro Correia, um ricaço que decidira-se pelo hábito talar, e que, para Nóbrega, "era a melhor língua do Brasil". O trabalho era imenso. Evangelizar aquela massa de gentios, com mil falas, que se espalhava por aquele mundão todo, era tarefa de gigantes. Talvez nem o apostolo Paulo, no lugar deles, conseguisse.

Desentendeu-se Nóbrega, a seguir, com o teólogo Quirino Caxa, examinador dos Casos de Consciência da Bahia que dera o parecer, bem pouco cristão, de que um pai índio, em caso de penúria "da grande", podia vender seus filhos, e que o próprio nativo, se em idade para tanto, podia empenhar a si mesmo. Lançada as fundações do Colégio de Meninos de Salvador, o Padre Nóbrega, o cérebro estratégico da Companhia de Jesus no Brasil, não demorou em perceber, depois de uma visita que fez a São Vicente, bem mais ao sul, das vantagens da instalação de um centro de catequese no Planalto de Piratininga.


Ícone da Virgem, poderoso instrumento da conversão


A Espada e a Cruz

Soubera lá, ao tentar demover o branco João Ramalho em deixar de ser um sultão em meio a uma serralho de índias, que o Rio Tietê era um intrometido. Enfiava-se por todo o sertão. Construindo o Colégio de São Paulo, batizado em janeiro de 1554, a cavaleiro daquele rio de caipiras, ele se entregaria à conquista espiritual da bacia do Paraná. Sonhou em chegar até ao Paraguai. Com um missal e um rosário em punho, seguido por um reduzido coral de curumins flautistas, enfiados em canoas, faria milagres. Estenderia um Império Teocrático até o sopé dos Andes. Dissuadiu-o Tomé de Souza, que não queria briga com os castelhanos. Virou-se então para a necessidade de vir ocupar-se a Guanabara (escreveu ao bispo em Salvador, dizendo-lhe do perigo de abandonar-se aquela área). Não sem antes que lhe lembrassem, citando-lhe as Constituições de 1556 da Companhia de Jesus, para que evitassem ter escravos, que assumissem a pobreza cristã.


Estácio de Sá desembarca no Morro do Cão
Logo, Estácio de Sá, em campanha contra os franceses no Rio de Janeiro, chamou-o. Queria o padre Nóbrega e seus orfeus-mirins para que, com seus trinados, exorcizassem a presença calvinista da Baía da Guanabara e fizessem sossegar os Tamoios. Apresentou-se o jesuíta a ele em 1565. A batina e a couraça, a cruz e a espada, aliadas, garantiram que São Sebastião do Rio de Janeiro ficasse com os lusitanos.

Dada a pouca esperança de muitos portugueses em ver prosperar aquela capitania, muitos deram a desandar, a desertar. Queriam voltar para a terrinha, para Lisboa. Ai deles! Nobrega virou fera. Deus os mandar ali, e eles tinham que ficar. Nada de frouxuras. Chamaram-no de tirano, disseram-se "cativos do faraó", mas se aquietaram.

A expansão do Catolicismo

E assim, com igrejas e capelas, santuários erguidos nas aparições da Virgem, orações, cantorias, procissões, conversões e batismos, trazendo mais padres e outras ordens (dos franciscanos, carmelitas, beneditinos, mercedários, e outros), a Igreja Católica foi doutrinando, educando e civilizando o bruto que aqui estava, e o outro bruto que aqui chegava. Com ameaças ao Inferno, recorrendo. por vezes, à "vara de ferro" e ao látego, erguidos contra o animismo, o feiticismo, a magia e a heresia, espantaram-nos desta parte do Novo Mundo. Uma Santa Casa aqui, um Colégio acolá, uma cama de lençóis para um doente, um tema de Cícero, um asilo para um órfão, uma lição do De Bello Gallico, que, somados aos oceânicos sermões do Padre Vieira, fizeram com que se mantivesse em mãos católicas uma das maiores extensões de terras do mundo ocidental. E dizer que tudo isso começou há 500 atrás, numa improvisada missa campal, puxada à frente de uma cruz de madeira bárbara, em hora de sol a pino, encerrada em seu final à bulha de "corno ou buzina", saltos e danças, feitos por uns nativos esquisitos, numa desconhecida praia da Bahia!


Padre Vieira, o gigante do século barroco

Etapas da Conquista Espiritual
do Catolicismo no Brasil Colonial

Missões Áreas geográficas alcançadas
1º Movimento
(Litoral)
A partir de 1549: ocupação do litoral, a costa do pau-brasil e a zona da mata açucareira, que abarcavam o Rio Grande do Norte até São Vicente. Política de fundações de colégios e implantação de aldeamentos, lideradas pelos Padres Nóbrega e Anchieta
2º Movimento
(Sertão)
A partir de 1554: adentrando o interior pelo Rio São Francisco e pelo Rio Tietê, a partir do Planalto de Piratininga, com fundação de aldeamentos nas beiras dos rios.
3º Movimento
(Floresta)
Entre 1620-1650: ocupando São Luís do Maranhão, depois da rendição da França Equinocial, em 1616, penetram nas planícies do norte pelos rios Pindaré, Itapecuru e Mearim, e, partindo de Nossa Senhora do Belém do Pará, remando pelo Rio Amazonas a dentro, vão até as fronteiras mais orientais da floresta. O principal dessas missões foi o Padre Vieira (1653-1661)
4º Movimento
(Minas)
A partir de 1700: impulsionado pelo clero secular e pelas irmandades, que se espalham pelas áreas do garimpo do ouro e dos diamantes, por Vila Rica do Ouro Preto, Sabará, São João del Rei, Diamantina, e de lá, na carona das monções, atingindo Goiás e Cuiabá.


Fonte: adaptado, com pequenas alterações, de Eduardo Hoonaert (org.) História da Igreja no Brasil na Primeira época, Petrópolis RJ, Ed. Paulinas-Vozes, Tomo II/1983

26 de abril, Dia do Goleiro

Curiosidades


DIA DO GOLEIRO
 

País comemora dia 26 de abril, o Dia do Goleiro, criado há 30 anos para homenagear aqueles que desafiam a lógica dos gramados
 
            Eles passam o ano todo sendo desafiados pelos atacantes, xingados pelos torcedores, chamados de ‘frangueiros’, ‘braço curto’, ‘mão de pau’ e outras atribuições depreciativas. Mas o que seria do futebol se não fossem os goleiros? Idolatrados a cada defesa e execrados a cada falha, os donos da camisa 1 considerados os anti-heróis do futebol por entrarem em campo para impedir o torcedor de ver o que mais gosta, o gol vão poder, pelo menos por um dia, ser tratados como reis. É que na próxima quarta-feira, dia 26 de abril, o Brasil comemora o Dia do Goleiro.
            “A idéia de se criar o Dia do Goleiro foi do tenente Raul Carlesso e do capitão Reginaldo Pontes Bielinski, professores da Escola de Educação Física do Exército do Rio de Janeiro, e surgiu na metade dos anos 70”, relata o jornalista Paulo Guilherme, autor do livro Goleiros – Heróis e anti-heróis da camisa 1, novo lançamento da editora Alameda Casa Editorial. Carlesso foi um dos precursores do trabalho de preparação de goleiros no Brasil. O tema entrou na pauta da Seleção Brasileira na preparação para a Copa do Mundo de 1970, quando o preparador físico Admildo Chirol levou para a concentração fotos e filmes de treinamentos de goleiros da Alemanha e da Iugoslávia.
Nos anos seguintes, Carlesso desenvolveu um método de fundamentos que ajudou na formação de diversos arqueiros brasileiros e foi o primeiro preparador de goleiros a ser inserido na Comissão Técnica da Seleção Brasileira em uma Copa do Mundo, no Mundial da Alemanha de 1974. “Diante do sucesso do método e da evolução dos goleiros no Brasil decidimos criar o Dia do Goleiro para homenagear todos os atletas dessa posição”, conta Bielinski, que desenvolveu vários estudos com Carlesso – este morreu em um acidente de carro no final dos anos 80.
Uma festa reunindo goleiros, ex-goleiros e pessoas ligadas ao futebol, no Rio, celebrou o primeiro Dia do Goleiro, em 14 de abril de 1975. Mas, a partir de 1976, definiu-se como o dia “oficial” a data de 26 de abril, em uma homenagem ao goleiro Manga, que na época era o campeão brasileiro pelo Internacional.
“Nos anos 70, o goleiro brasileiro era pouco respeitado tanto lá fora quanto aqui mesmo no Brasil”, afirma Paulo Guilherme. “Hoje, três décadas depois, os goleiros celebram uma nova era, conquistando espaço em grandes clubes da Europa, arrastando milhares de fãs para os estádios e lançando moda nos uniformes".

25 de abril, Dia do Contabilista

25 DE ABRIL DIA DO CONTABILISTA




Parabéns a todos que exercem essa função!

    O Dia do Contabilista foi instituído sob a inspiração do Senador João Lyra, em 25 de abril de 1926, ocasião em que proferiu discurso que enalteceu a Classe Contábil Brasileira destacando a importância e responsabilidade que esse profissional exerce perante a sociedade
Diante de sua imensa inserção social e para a sintonia entre a sua grandeza e o seu exercício no dia a dia, o contabilista deve manter-se sempre atento aos bons procedimentos éticos, sobretudo no que se refere à honestidade, dignidade e liberdade profissional.


     Diferença entre Contabilista, Contador e Técnico em Contabilidade
Muitos não sabem diferenciar esses gêneros da profissão contábil, mas na verdade, contabilista é sinônimo de contabilidade, abrangendo o campo de atuação dos contadores e dos técnicos em contabilidade.

    O contador é um profissional universitário que exerce funções técnicas e acadêmicas da contabilidade, que cursou Ciências Contábeis. Já o Técnico em Contabilidade é o sucessor do antigo guarda-livros, profissional formado pelos cursos profissionalizantes das Escolas Técnicas do Comércio, curso de nível médio, executando a função técnica da contabilidade.
 

24 de abril, Feliz Páscoa!!!

23 de abril, Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor.

DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO DO AUTOR - 23/Abril
       O Dia Internacional do Livro teve a sua origem na Catalunha, uma região semi-autônoma da Espanha. A data começou a ser celebrada em 7 de outubro de 1926, em comemoração ao nascimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol. O escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés, propôs este dia para a Câmara Oficial do Livro de Barcelona. Em 6 de fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol. No ano de 1930, a data comemorativa foi trasladada para 23 de abril, dia do falecimento de Cervantes. Mais tarde, em 1995, a UNESCO instituiu 23 de abril como o Dia Internacional do Livro e dos direitos dos autores, em virtude de a 23 de abril se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla, escritor catalão, e William Shakespeare, dramaturgo inglês.

22 de abril, dia do Planeta Terra.

dia do planeta Terra 

             Aproveite hoje, dia 22 de abril em que se comemora o dia do Planeta Terra, para se conscientizar de suas atitudes perante o meio ambiente. Pesquise mais sobre ações ambientais, ecológicas, sustentáveis
Você faz parte disso e portanto é você quem ganha contribuindo para uma melhor morada.
             A iniciativa deste dia pretende despertar a consciência na população de todo o mundo sobre maneiras de colaborar na preservação do meio ambiente através de simples medidas cotidianas.
Publicidade
             Existem muitas formas de ajudar o planeta e o meio ambiente. Aproveite essa data para começar a fazer sua parte. Mas faça todos os dias. É possível começar aos poucos, economizando energia e evitando desperdícios, por exemplo. Não fique horas no banho, feche a torneira, cuide do lixo que você produz, separe o material para coleta de lixo seletiva, recicle sempre que possível.
            Use dois lados de uma folha de papel, use sua própria caneca de café, evite os copos de plástico, sacolas e garrafas de plástico. Pague as contas pela internet e opte por não receber extratos bancários em papel, use lâmpadas fluorescentes, baterias recarregáveis, compartilhe essas dicas com outras pessoas, plante uma árvore.
           Grande parte do planeta Terra está sendo destruída por nós. As florestas estão cada vez mais desmatadas, os rios e o ar mais poluídos. Como consequência vem o aquecimento global, que por sua vez derrete as geleiras, faz com que o nível do mar aumente e ameaçe a biosfera. Muito esgoto é lançado nas águas, muito lixo é jogado nas ruas e a reciclagem ainda é uma palavra conhecida por poucos.

22 de abril, dia do Descobrimento do Brasil

DESCOBRIMENTO DO BRASIL
História do Brasil Colônia, a história do descobrimento do Brasil, os primeiros contatos
 entre portugueses e índios, o escambo, a exploração do pau-brasil
descobrimento do brasil
       Primeiros contatos entre portugueses e índios
  Em 22 de abril de 1500 chegava ao Brasil 13 caravelas portuguesas lideradas por Pedro Álvares Cabral. A primeira vista, eles acreditavam tratar-se de um grande monte, e chamaram-no de Monte Pascoal. No dia 26 de abril, foi celebrada a primeira missa no Brasil.
  Após deixarem o local em direção à Índia, Cabral, na incerteza se a terra descoberta tratava-se de um continente ou de uma grande ilha, alterou o nome para Ilha de Vera Cruz. Após exploração realizada por outras expedições portuguesas, foi descoberto tratar-se realmente de um continente, e novamente o nome foi alterado. A nova terra passou a ser chamada de Terra de Santa Cruz. Somente depois da descoberta do pau-brasil, ocorrida no ano de 1511, nosso país passou a ser chamado pelo nome que conhecemos hoje: Brasil. 
  A descoberta do Brasil ocorreu no período das grandes navegações, quando Portugal e Espanha exploravam o oceano em busca de novas terras. Poucos anos antes da descoberta do Brasil, em 1492, Cristóvão Colombo, navegando pela  Espanha, chegou a América, fato que ampliou as expectativas dos exploradores. Diante do fato de ambos terem as mesmas ambições e com objetivo de evitar guerras pela posse das terras, Portugal e Espanha assinaram o Tratado de Tordesilhas, em 1494. De acordo com este acordo, Portugal ficou com as terras recém descobertas que estavam a leste da linha imaginária ( 200 milhas a oeste das ilhas de Cabo Verde), enquanto a Espanha ficou com as terras a oeste desta linha. 
  Mesmo com a descoberta das terras brasileiras, Portugal continuava empenhado no comércio com as Índias, pois as especiarias que os portugueses encontravam lá eram de grande valia para sua comercialização na Europa. As especiarias comercializadas eram: cravo, pimenta, canela, noz moscada, gengibre, porcelanas orientais, seda, etc. Enquanto realizava este lucrativo comércio, Portugal realizava no Brasil o extrativismo do pau-brasil, explorando da Mata Atlântica toneladas da valiosa madeira, cuja tinta vermelha era comercializada na Europa. Neste caso foi utilizado o escambo, ou seja, os indígenas recebiam dos portugueses algumas bugigangas (apitos, espelhos e chocalhos) e davam em troca o trabalho no corte e carregamento das toras de madeira até as caravelas. 
  Foi somente a partir de 1530, com a expedição organizada por Martin Afonso de Souza, que a coroa portuguesa começou a interessar-se pela colonização da nova terra. Isso ocorreu, pois havia um grande receio dos portugueses em perderem as novas terras para invasores que haviam ficado de fora do tratado de Tordesilhas, como, por exemplo, franceses, holandeses e ingleses. Navegadores e piratas destes povos, estavam praticando a retirada ilegal de madeira de nossas matas. A colonização seria uma das formas de ocupar e proteger o território. Para tanto, os portugueses começaram a fazer experiências com o plantio da cana-de-açúcar, visando um promissor comércio desta mercadoria na Europa.

21 de abril, dia de Tiradentes

TIRADENTES: O Primeiro Grande Mártir da Independência do Brasil

  TIRADENTES ( Joaquim José da Silva Xavier) (1746-1792), é considerado o grande mártir da independência do nosso país. Nasceu na Fazenda do Pombal, entre São José ( hoje Tiradentes) e São João del Rei, Minas Gerais. Seu pai era um pequeno fazendeiro. Tiradentes não fez estudos das primeiras letras de modo regular. Ficou órfão aos 11 anos; foi mascate, pesquisou minerais, foi médico prático. Tornou-se também conhecido, na sua época, na então capitania, por sua habilidade com que arrancava e colocava novos dentes feitos por ele mesmo, com grande arte. Sobre sua vida militar, sabe-se que pertenceu ao Regimento de Dragões de Minas Gerais. Ficou no posto de alferes, comandando uma patrulha de ronda do mato, prendendo ladrões e assassinos.
  Em 1789 o Brasil-Colônia começava a apresentar algum progresso material. A população crescia, os meios de comunicação eram mais fáceis a exportação de mercadorias para a metrópole aumentava cada vez mais. Os colonos iam tendo um sentimento de autonomia cada vez maior, achando que já era tempo de o nosso país fazer a sua independência do domínio português.
  Houve então em Vila Rica, atual cidade de Ouro Preto, no Estado de Minas Gerais, uma conspiração com o fim de libertar o Brasil do jugo português e proclamar a República. Uma das causas mais importantes do movimento de Vila Rica foi a independência dos Estados Unidos, que se libertara do domínio da Inglaterra em 1776, e também o entusiasmo dos filhos brasileiros que estudaram na Europa, de lá voltando com idéias de liberdade.
Ainda nessa ocasião não era boa a situação econômica da Capitania de Minas, pois as Minas já não produziam muito ouro e a cobrança dos impostos ( feita por Portugal) era cada vez mais alta.
  O governador de Minas Gerais, Visconde de Barbacena, resolveu lançar a derrama, nome que se dava à cobrança dos impostos. Por isso, os conspiradores combinaram que a revolução deveria irromper no dia em que fossem cobrados esses impostos. Desse modo, o descontentamento do povo, provocado pela derrama, tornaria vitorioso o movimento.
  A conjuração começou a ser preparada. Militares, escritores de renome, poetas famosos, magistrados e sacerdotes tomaram parte nos planos de rebelião. Os conspiradores pretendiam proclamar uma república, com a abolição imediata da escravatura, procedendo à construção de uma universidade, ao desenvolvimento da educação para o povo, além de outras reformas sociais de interesse para a coletividade.
Uma das primeiras figuras da Inconfidência foi Tiradentes. O movimento revolucionário ficou apenas em teoria, pois não chegou a se realizar. Em março de 1789, o coronel Joaquim Silvério dos Reis, que se fingia amigo e companheiro, traiu-os, denunciando o movimento ao governador.
  Tiradentes achava-se , nessa ocasião no Rio de Janeiro. Percebendo que estava sendo vigiado, procurou esconder-se numa casa da rua dos Latoeiros, atualmente Gonçalves Dias, sendo ali preso. O processo durou 3 anos, sendo afinal lida a sentença dos prisioneiros conjurados. No dia seguinte uma nova sentença modificava a anterior, mantendo a pena de morte somente para Tiradentes.
  Tiradentes foi enforcado a 21 de abril de 1792, no Largo da Lampadosa, Rio de Janeiro. Seu corpo foi esquartejado, sua cabeça foi erguida em um poste em Vila Rica, arrasaram a casa em que morava e declararam infames os seus descendentes.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Dia do Diplomata

20 de Abril

Decreto Nº 66.217 -17/02/1970
  A tarefa do diplomata exige muito tato e permanente articulação com as esferas de poder, não só dentro do país como fora dele. O dia 20 de abril de 1850 marca o nascimento de José Maria da Silva Paranhos, o Barão do Rio Branco, importante personalidade das Relações Exteriores no final do século XIX e início do século XX.
  Foi deputado (1868/1872), Secretário Particular na missão de negociação de paz com o Paraguai (1870/1871) e Cônsul-Geral em Liverpool (1876). No período que esteve a frente do Ministério das Relações Exteriores (1902-1912), o Barão do Rio Branco foi responsável pela consolidação das atuais fronteiras do país, e por importante modernização das ações da Chancelaria brasileira.Apesar de muitas vezes trabalhar em terras estrangeiras, engana-se quem pensa que o diplomata aos poucos perde o contato com as questões de sua Nação. Pelo contrário: sua função é defender, lá fora, os interesses de seu país, e difundir a imagem do mesmo para possibilitar negociações políticas e econômicas mais favoráveis.
  Além disso, o profissional incumbe-se de promover nossa cultura e valores, trata de temas delicados e atuais como segurança, paz, normas de comércio, direitos humanos, meio ambiente, tráfico de drogas, migração e laços de cooperação e amizade entre as nações.
Instituto Rio Branco-A diplomacia é uma das carreiras do momento. As mudanças nas relações internacionais fervilham, e o Brasil, através do célebre Instituto Rio Branco, tem aparato para ajudar na construção de um mundo mais próspero, estável e justo. 

O instituto é responsável por:
   Recrutar, selecionar e formar pessoal para a Carreira de Diplomata
Executar cursos de aperfeiçoamento ou especialização de servidores do Ministério
  Organizar cursos de extensão, seminários e estágios destinados a profissionais com atuação na área de política exterior.
  Como seguir carreira-A admissão à carreira diplomática é feita através de concurso promovido pelo Instituto Rio Branco.
Fonte: IBG

Dia do Disco de Vinil

  No mês de abril há muitas datas comemorativas, dia 19, por exemplo, é o Dia do Índio, dia 21 é Dia de Tiradentes. O que poucos sabem é que entre essas duas famosas datas há espaço para um 20 de abril em que se comemora o Dia do Disco.
Ataulfo Alves
  Isso mesmo, aquele velho “ bolachão”, do qual poucos ainda fazem uso hoje em dia e algumas crianças sequer conhecem, ganhou um dia comemorativo. A data foi escolhida por ser o dia do aniversário da morte do cantor e compositor brasileiro Ataulfo Alves.
  Mas, você conhece a história deste símbolo musical? Os discos de vinil foram desenvolvidos no início da década de 1950. O nome vinil vem do material plástico utilizado na sua produção. Material delicado que requer cuidados especiais. Não se pode, por exemplo, deixar poeira sobre o vinil.
  O disco possui ranhuras na forma de espiral. Esse formato faz com que a agulha do toca-disco percorra o caminho da borda até o centro, fazendo a leitura da gravação. Além disso, as ranhuras produzem uma vibração na agulha. Essa vibração vira sinais elétricos, que são transformados em música.
Disco de vinil (LP)
  O tipo mais comum do disco de vinil é o LP, abreviatura de Long Play, que tem o formato de um círculo com 31 centímetros de diâmetro. Os dois lados do disco são gravados sendo que, cada um, tem capacidade para cerca de 20 minutos de música.
  Outros vinis menos conhecidos são o EP, que tem 17 cm de diâmetro e cerca de 8 minutos de música em cada lado e o single, disco também de 17 cm de diâmetro, com capacidade musical de cerca de 4 minutos. Este tipo de disco era muito usado por artistas para publicar e divulgar prévias de seus trabalhos.
  Bem, hoje em dia os vinis são raridades. Deixaram de ser comercializados há mais de 15 anos no Brasil e só são encontrados em lojas especializadas ou através de colecionadores. Seus sucessores, CDs e DVDs tornaram-no obsoleto, já que trouxeram muito mais praticidade à maneira de ouvir música, além da capacidade muitas vezes superior de armazenamento de dados.

  Mas, amantes da música ainda afirmam que a qualidade musical que os “bolachões” proporcionam é, sem sombra de dúvidas, muito melhor do que o que toda a tecnologia atual pode nos proporcionar.
  Você concorda?

terça-feira, 19 de abril de 2011

LITERATURA DE CORDEL.

  literatura de cordel é um tipo de poema popular, originalmente oral, e depois impressa em folhetos rústicos ou outra qualidade de papel, expostos para venda pendurados em cordas ou cordéis, o que deu origem ao nome originado em Portugal, que tinha a tradição de pendurar folhetos em barbantes. No Nordeste do Brasil, o nome foi herdado (embora o povo chame esta manifestação de folheto), mas a tradição do barbante não perpetuou. Ou seja, o folheto brasileiro poderia ou não estar exposto em barbantes. São escritos em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores, ou cordelistas, recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola, como também fazem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores.

RECEITAS, UM ÓTIMO PORTADOR DE TEXTOS



Ingredientes:

Massa:
1 Colher(es) (sopa) de fermento em pó
2 Colher(es) (sopa) de manteiga
3 Xícara(s) (chá) de farinha de trigo
1 Xícara(s) (chá) de açúcar
4 ovos

Recheio:
1 Colher(es) (sopa) rasa de manteiga
350 gramas de açúcar
1 coco ralado
1 abacaxi
3 ovos



Modo de Preparo:

Massa:
Misturar tudo. Abrir com o rolo e dividir em duas partes.

Recheio:
Passar o abacaxi no liquidificador. Acrescentar os outros ingredientes e levar ao fogo até secar o cado. Forrar o tabuleiro com a massa, colocar o recheio e cobrir com a outra parte da massa. Assar. Cortar em quadrados. Passá-los no açúcar com canela.



Ingredientes:
200 gramas de Acém cozido e frito desfiado
200 gramas de torresmo pronto
300 gramas de arroz cozido
4 ovos caipira
Cheiro verde



Modo de Preparo:
Fritar os ovos, mexendo lentamente para que fiquem em pedaços e reservar. Bater o torresmo no liqüidificador até formar uma farinha. Misturar ao arroz, juntamente com os outros ingredientes, menos o cheiro verde, e levar ao fogo médio por 5 minutos. Em seguida, misturar o cheiro verde lentamente e servir em uma gamela ou numa panela de pedra previamente aquecida.



Ingredientes:
6 Colher(es) (sopa) de açúcar
250 gramas de fécula de batata
doce de leite ou geléia
Açúcar de confeiteiro
6 ovos inteiros



Modo de Preparo:
Bater bem os ovos inteiros, acrescentar o açúcar e bater muito bem, até dobrar de volume. A massa deve ficar bem branquinha. Acrescentar a fécula e misturar levemente com uma colher de pau. Pingar uma colher de sopa rasa de massa na fôrma, colocar no forno médio por 10 minutos. Depois de frio, rechear e polvilhar o açúcar de confeiteiro.




Ingredientes:
1 Colher(es) (sopa) de fermento em pó
5 Colher(es) (sopa) de manteiga
3 Xícara(s) (chá) de farinha de trigo
1 e ½ Xícara(s) (chá) de açúcar
Margarina para untar
2 ovos



Modo de Preparo:
Misturar todos os ingredientes com as mãos até formar uma massa homogênea. Com um rolo, abrir a massa e cortar no formato desejado. Colocar em uma assadeira untada e levar ao forno, preaquecido, por 20 minutos ou até dourar.



Ingredientes:
½ Xícara(s) (chá) de amêndoas sem pele, moídas
1 Xícara(s) (chá) de farinha de trigo
½ Xícara(s) (chá) de manteiga
¼ Xícara(s) (chá) mais 2 (sopa) de açúcar de confeiteiro
2 Colher(es) (sopa) de açúcar vanille



Modo de Preparo:
Numa tigela grande, incorpore com a ponta dos dedos a farinha, a manteiga, as amêndoas e ¼ xícara do açúcar de confeiteiro. Amassar até obter uma mistura homogênea. Retirar a massa em colheradas e fazer rolinhos de 1 cm de espessura. Cortar em pedaços de 6 cm e moldar em formato de meia-lua. Colocar numa assadeira e levar ao forno preaquecido por cerca de 7 a 10 minutos, sem deixar dourar. Retirar do forno e esperar esfriar. Numa tigela, misturar o açúcar de confeiteiro restante e o vanille e polvilhar sobre os biscoitos. Obs.: Açúcar vanille é um açúcar aromatizado com baunilha, encontrado em supermercados ou lojas de produtos para confeitaria. Para prepará-lo, adicionam-se extrato, essência ou favas de baunilha ao açúcar. Caso deseje fazer em casa, colocar a fava de baunilha em um pote limpo e seco, cobrir com açúcar e deixar tampado por 1 mês. Aromatizar açúcar só é possível usando a fava de baunilha, nunca a essência.

Sugestões de livros:

  1. 1974 – O rei de quase tudo – Eliardo França
  2. 1975 – Angélica – Lygia Bojunga
  3. 1976 – A Bolsa Amarela – Lygia Bojunga
  4. 1977 - Pedro – Bartolomeu Campos de Queirós
  5. 1978 – Coleção Gato e Rato – Mary França
  6. 1979 - Raul da ferrugem azul – Ana Maria Machado
  7. 1980 – O curumim que virou gigante – Joel Rufino dos Santos
  8. 1981 – O que os olhos não vêem – Ruth Rocha
  9. 1982 – Uni, duni e tê – Angela Lago
  10. 1983 – Os bichos que tive – Sylvia Orthof
  11. 1984 – É isso ali – José Paulo Paes
  12. 1985 – Uxa, ora fada, ora bruxa – Sylvia Orthof
  13. 1986 – O menino marrom – Ziraldo
  14. 1987 – Uma ilha lá longe – Cora Rónai
  15. 1988 – A mãe da mãe da minha mãeTerezinha Alvarenga
  16. 1989 – As viagens de Raoni – Pedro Veludo
  17. 1990 – Sua alteza a Divinha – Angela Lago
  18. 1991 – O menino de olho d’água – José Paulo Paes
  19. 1992 – Eu e minha luneta – Cláudio Martins
  20. 1993 – Asa de papel – Marcelo Xavier
  21. 1994 – Coleção Assim é se lhe parece – Angela Carneiro, Lia Neiva, Sylvia Orthof
  22. 1995 – A Cristaleira – Graziela Bozano Hetzel
  23. 1996 – Menino do Rio Doce – Ziraldo
  24. 1997 – Minhas memórias de Lobato – Luciana Sandroni
  25. 1998 – Dez sacizinhos – Tatiana Belinky
  26. 1999 – Ludi na Revolta da Vacina: uma odisséia no Rio Antigo – Luciana Sandroni
  27. 2000 – Chica e João – Nelson Cruz
  28. 2001 – Mania de explicação – Adriana Falcão
  29. 2002 – A princesinha medrosa – Odilon Moraes
  30. 2003 – O segredo da chuva – Daniel Munduruku
  31. 2004 – Pedro e Lua – Odilon Moraes
  32. 2005 – Murucututu a coruja grande da noite – Marcos Bagno
  33. 2006 – O menino, o cachorro – Simone Bibian

Visita de Jesus

 
Visita de Jesus

   "Era uma vez um rapaz que tinha muitos problemas. Constantemente, em suas orações, ele pedia que Jesus viesse visitá-lo no seu sofrimento. Um dia, Jesus bateu a sua porta, ele maravilhado, convidou-o a entrar, e Jesus sentou-se no sofá da sala.
   Na mesinha de centro encontrava-se uma Bíblia aberta no Salmo 91.
Numa das paredes estava pendurado um bordado com o Salmo 23 e na outra umquadro da santa ceia. "Senhor Jesus", disse o jovem, "em primeiro lugar gostaria de dizerque é uma honra recebê-lo em minha casa, conforme o Senhor deve saber,estou passando por algumas dificuldades e preciso muito da Sua ajuda..."

  "Filho", interrompeu Jesus, "antes de conversarmos sobre os seus pedidos, gostaria de conhecer sua casa. Onde é o lugar que você dorme?"
No mesmo instante o rapaz se lembrou que guardava, no quarto, umas revistas terríveis e se apressou em dar uma desculpa: "Não, Jesus, lá não! Meu quarto não está arrumado!"

  "Bem", disse Jesus, "e a cozinha, posso conhecer sua cozinha?"
O rapaz lembrou que na cozinha havia algumas garrafas de bebida que ele não gostaria que Jesus visse.
"Senhor, desculpe, mas prefiro que não", respondeu o rapaz, "a
minha cozinha está vazia, não tenho nada de bom para oferecê-lo."
 
   Neste instante, um barulho forte interrompe a conversa. Pam, pam, pam...! Era alguém que batia furiosamente na porta, o rapaz se levantou, assustado, e foi ver quem era. Abriu a porta meio desconfiado, e viu que era o diabo.
"Sai da frente que eu quero entrar!", gritou o tentador.
   "De jeito nenhum", respondeu o rapaz, e assim começou a briga. Com muita dificuldade o homem conseguiu empurrar o diabo e fechar a porta.
Cansado, o rapaz voltou para sala e continuou:
   "Então, Jesus", disse ele, "como eu estava falando com o Senhor, estou precisando de tantas coisas..."
Mas, outra vez a conversa é interrompida por um barulho forte que vinha da janela do quarto. O rapaz correu para ver quem era e ao abri-la se deparou, novamente, com o diabo:
   "Agora não tem jeito, eu vou entrar!", disse o inimigo.
   Mais uma vez o rapaz se debateu com ele e conseguiu trancar a janela.
   "Senhor", disse ele, "desculpe a interrupção, conforme lhe dizia..."
Outra vez, dos fundos da casa, se ouvia tamanho barulho como se alguém quisesse arrombar a porta, era novamente o diabo: "Eu quero entrar!"
   O rapaz, já exausto, lutou com ele e conseguiu mantê-lo do lado de fora.
Ao voltar, contrariado, disse a Jesus:
   "Eu não entendo. O Senhor está na minha casa e por que o diabo fica insistindo em entrar?"
   "Sabe o que é meu filho", explicou Jesus, "é que na sua casa você só me deu a sala."
   O rapaz humildemente entendeu a lição de Jesus e fez uma faxina na casa para entregá-la aos cuidados do Senhor. Neste instante, o diabo bateu mais uma vez à porta. O rapaz olhou para Jesus sem entender, e o Senhor disse: "Deixa que eu vou atender."
   Quando o diabo viu que era Jesus, que atendia a porta, disse: "Desculpe, foi engano," e sumiu rapidinho. "
   Muitas vezes, é assim que acontece com o nosso coração. Entregamos a Jesus só uma parte dele, apenas a sala, ficando as dúvidas a morar no quarto, o descaso na cozinha, o medo na varanda, então lutamos e não vencemos porque a casa está dividida.
   "Os olhos do Pai passeiam por toda a terra para se mostrar forte para com aqueles cujo coração é inteiramente seu."
   Desculpe, foi engano... Medite nisso, pois você recebeu esta mensagem e não foi por engano!!