terça-feira, 5 de abril de 2011

Menino que tinha chulé

O seu rosto era pintado,
E seu jeito, retraído,
Seus cabelos enrolados,
E de muito, distraído.
Inteligente e saudável,
Tirava nota dez até,
Mas seu único defeito,
Era um tremendo chulé.
Tudo havia feito e passado,
Receitas mil haviam lhe dado,
Mas o cheiro do seu pé,
Nem de longe, tinha acabado.
Em encrencas nunca estava,
O seu nome era Mané,
Mas o que incomodava,
Era o seu querido chulé.
Tinha uma turma bacana,
Que às vezes festa fazia,
Mas seu jeito muito tímido,
De garotas, ele fugia.
Marcaram para o fim de semana,
Uma viagem legal,
Era num acampamento,
Para alegria geral.
Foram de ônibus ao campo,
E era um lugar genial,
Muitos chalés e um lago,
Com segurança total.
Quando foram distribuir,
Cada dois em um chalé,
Preocupado o menino ficou,
Onde colocar seu chulé.
Chiquinho seu companheiro,
Naquele quarto apertado,
Não sabia do problema,
Quando o tênis fosse tirado . . .
Depois das brincadeiras do dia,
Cansados, foram prá cama,
E Mané dormiu calçado,
Com o tênis e de pijama.
No dia seguinte correu notícia,
Bem na hora do café,
Que alguém naquele campo,
Tinha um terrível chulé.
O Mané muito sem jeito,
Para casa até quis voltar,
Mas Maria - a cozinheira,
Resolveu lhe ajudar.
"- Querido, não fique triste,
Uma poção vou lhe dar,
Faça tudo direitinho,
Que o chulé vai acabar".
Com alívio, em um dia,
Seu problema terminou,
E do chulé deste menino,
Ninguém pelo menos lembrou.
Mané feliz e contente,
Com novo cheiro no pé,
Voltou para casa saudoso,
Da viagem, e do chulé . . .
   Enise

Nenhum comentário:

Postar um comentário